Pandemia empurrou até 132 milhões de pessoas para a fome crônica